A Doença Como Caminho: O Câncer

Eis aí a chave do câncer. Não é por acaso que tantos sofrem de câncer em nossa época, e que o fato de combatê-lo por todos os meios obtém tão pouco êxito. O câncer é uma expressão da época moderna e da nossa visãocoletiva de mundo.

A célula cancerosa não pode simplesmente segurar uma vela para iluminar a cegueira e a miopia da humanidade contemporânea. Em virtude de visarmos apenas a expansão econômica, nós usamos o meio ambiente como fonte alimentar e anfitrião e, atualmente, constatamos surpresos que a morte desse hospedeiro implica a nossa própria morte.

De onde as pessoas que se comportam dessa maneira tiram a coragem e a
ousadia para se queixarem do câncer? Afinal, ele não passa de um espelho
que mostra o nosso comportamento, nossos argumentos e, também, o fim do
nosso caminho.

Para entendermos o câncer é muito importante que raciocinemos em termos analógicos. Precisamos nos tornar plenamente conscientes do fato de que toda entidade perfeita que percebemos ou definimos (ou seja, um todo entre outras totalidades) é por um lado parte de um todo maior e, ao mesmo tempo, compõe-se de todos menores.

Assim sendo, por exemplo, um bosque (como um todo definido) não só faz parte de um todo maior (a zona rural), mas é também constituído de muitas árvores (todos menores).

O mesmo vale para cada árvore isolada. Ela não só faz parte da floresta, como também é composta por tronco, raízes e copa. A relação entre o tronco e a árvore é a mesma entre a árvore e o bosque, ou entre o bosque e a zona rural em que está.
Cada um de nós é parte da raça humana, e ao mesmo tempo consistimos em órgãos que não só fazem parte de um ser humano, como simultaneamente são feitos de uma multiplicidade de células, as quais por sua vez são partes do próprio órgão.

A raça humana espera que cada um de nós se comporte da melhor forma possível como indivíduo a fim de servirmos ao desenvolvimento e à sobrevivência da humanidade como um todo.

Cada um de nós, por sua vez, espera que seus órgãos funcionem com perfeição no interesse de sua sobrevivência como ser humano.

E o órgão espera que suas próprias células cumpram seu dever no que se refere à sua sobrevivência.
Dentro dessa ordem hierárquica, que pode ser estendida ao infinito em ambas direções, cada ser é um todo numa situação de conflito constante entre seu tipo específico de vida por um lado, e sua subordinação aos interesses da entidade hierarquicamente superior, por outro.

Cada organismo complexo (humanidade, Estado, órgão) tem seu funcionamento organizado de tal modo que suas partes cheguem tanto quanto possível à idéia comum e trabalhem em seu benefício. Todo sistema pode normalmente enfrentar o fracasso de algumas de suas partes constituintes, sem por em risco o todo. No entanto, existe um limite além do qual a existência em si passa a correr perigo.
Sendo assim, um Estado pode sair-se bem mesmo que alguns cidadãos se recusem a trabalhar ou se comportar de modo anti-social, revoltando-se contra ele. Se, no entanto, este grupo de elementos subversivos aumentar muito, pode acabar com um tamanho que passa a ameaçar a existência contínua do todo. Como é natural, o Estado devotará bastante tempo à tentativa de se defender desse desenvolvimento, combatendo em nome da própria existência. Se essa tentativa falhar, seu colapso é inevitável. A abordagem mais promissora seria fazer os dissidentes voltarem a tempo para o grupo, oferecendo-lhes oportunidades irrecusáveis de cooperar com um trabalho que visasse um objetivo comum. A longo prazo, contudo, o método habitualmente usado pelo Estado é eliminar de forma radical seus desafetos. Tal estratégia levará ao caos. Do ponto de vista do Estado, as forças da oposição são inimigos perigosos cujo único objetivo é destruir a “velha e boa organização” a fim de disseminar a desordem.
Embora perfeitamente justo, esse modo de analisar os fatos peca pela sua unilateralidade. Se perguntássemos a opinião dos anarquistas ouviríamos argumentos muito diferentes e bastante justificáveis do seu ponto de vista. O certo é que não se identificam com os objetivos e as pretensões do Estado, porém apresentam pontos de vista e interesses opostos que gostariam de ver concretizados. O Estado exige obediência; tais grupos querem liberdade para realizar seus próprios ideais. Podemos entender ambos os lados, no entanto não é fácil concretizar os interesses das duas facções sem que ao mesmo tempo haja uma espécie de sacrifício.
A intenção destas explicações não é de forma alguma desenvolver qualquer teoria política ou social, mas antes de apresentar o câncer num outro nível, tentando ampliar o ângulo de visão geralmente restrito com que é analisado. O câncer não é um acontecimento isolado que só aparece nas formas cancerosas; ele é igualmente encontrado com freqüência em processos bastante diferenciados e inteligentes que também dão trabalho aos homens em outros âmbitos da vida.

No caso de quase toda as outras doenças vemos uma tentativa do corpo para lidar com a dificuldade funcional através da adoção de medidas adequadas. Se tem sucesso, falamos em cura (que pode ser mais ou menos perfeita). Se o corpo não tem êxito e seus esforços para debelar a doença são frustrados, falamos em morte.
Mas, no caso do câncer, vemos algo essencialmente diferente: o corpo assiste como um número crescente de suas células mudam de comportamento e, através de uma participação ativa, iniciam um processo que por si mesmo não leva a nenhum resultado, mas que de fato descobre seus limites no esgotamento do hospedeiro (solo nutritivo). A célula cancerosa não é, como por exemplo, as bactérias, os vírus ou as toxinas, algo que vem de fora, pondo em risco o organismo; ela é uma célula que até então estava a serviço do órgão e assim atendia ao organismo como um todo lhe proporcionando a melhor chance de sobrevivência possível. Mas, subitamente, sua orientação se modifica e ela abandona a identificação comum. Ela começa a desenvolver e concretizar objetivos próprios sem a menor consideração pelas demais células. Ela encerra a sua atividade habitual, ou seja, sua função específica dentro do órgão, e coloca seu próprio desenvolvimento em primeiro plano. Ela não se comporta mais como um membro do ser vivente multicelular, porém regride a um nível primitivo de existência, como célula isolada na evolução histórica. Rompe sua união com a comunidade celular e, a partir daí, espalha-se com rapidez e indiferença através de uma divisão caótica, desrespeitando os limites morfológicos (infiltração), e construindo por toda parte seus pontos de apoio (metástases). O que sobra da comunidade celular da qual se excluiu é usado como um anfitrião que lhe dá de comer. As células cancerosas se multiplicam e crescem tão depressa que os vasos sanguíneos não são mais capazes de manter um suprimento adequado de sangue. É assim que as células cancerosas regridem da respiração oxigenada para um processo mais primitivo, de fermentação. Respirar depende da comunidade (numa base de troca); a fermentação é algo que qualquer célula consegue fazer por conta própria.
Este processo muito bem sucedido de autodisseminação das células cancerosas acaba se detendo depois de terem literalmente devorado a pessoa que usaram como fonte de alimentação. Finalmente, as células cancerosas passam por um sério problema, ou seja, tem dificuldade com o suprimento nutritivo. Mas até esse momento seu comportamento é coroado de êxito.
Neste ponto surge a questão: como será que células até então bem-comportadas podem fazer isso? Na verdade, seus motivos podem ser acompanhados com bastante facilidade. Como membro obediente de um ser multicelular humano, a célula tem apenas de executar a função específica que lhe é destinada, e que serve para assegurar a sobrevivência do organismo maior. Num dado instante, porém, certa célula é forçada a começar a cumprir a pouco atraente função de uma outra. Durante bastante tempo ela de fato faz isso. No entanto, num determinado ponto, o organismo maior deixou de se interessar pelo contexto do desenvolvimento daquela célula em si mesma. Um organismo unicelular é livre e independente; pode fazer o que quiser, pode tornar-se imortal propagando-se ao infinito. Como parte integrante de um organismo multicelular, a célula tanto é mortal como restrita. Acaso pode causar espanto se ela recordou sua antiga liberdade e resolveu mudar de vida, passando a ser uma célula isolada a fim de concretizar sua imortalidade através de esforços individuais? Ela subordina a antiga comunidade de células aos seus próprios interesses e com seu comportamento irresponsável, começa a conquistar a própria liberdade.
A abordagem por certo bem sucedida de usar outras células como fonte de alimentação é um método cujo erro só se torna visível com o tempo, pois assim está determinado também o próprio fim. O comportamento da célula cancerosa só obtém êxito enquanto o hospedeiro viver – a morte da pessoa doente significa o fim do desenvolvimento canceroso.
Existe aqui um pequeno erro de conseqüências graves para o conceito de concretização da liberdade e da imortalidade. Declaramo-nos desligados da antiga comunidade e percebemos, tarde demais, que ela nos é necessária. O ser humano não sente nenhum prazer em sacrificar a vida pela célula cancerosa e, no entanto, esta também não se sente nada contente em sacrificar a vida pelo ser humano. A célula cancerosa tem argumentos tão válidos como a pessoa, só que seu ponto de vista é outro. Ambos querem viver e concretizar seus desejos de liberdade e seus interesses. Para tanto, ambos estão dispostos a sacrificar um ao outro. No nosso exemplo “estatal” não foi diferente. O Estado, tanto quanto seus opositores, também quer viver e concretizar seus ideais. É por isso que o Estado tenta em primeiro lugar sacrificar os anarquistas. Se assim não obtém êxito, este sacrifica o Estado. Nenhum dos partidos leva o outro em consideração. O homem passa por cirurgias e faz aplicações de cobalto e quimioterapia contra as células cancerosas até onde puder – mas, se elas vencerem, sacrificam o paciente. Trata-se do antigo conflito da natureza; comer ou ser comido. É claro que o paciente vê a indiferença e a desconsideração das células cancerosas e também sua falta de visão; contudo, será que ele também vê que se comporta exatamente do mesmo modo, que tenta assegurar sua sobrevivência usando dos mesmos meios?
Eis aí a chave do câncer. Não é por acaso que tantos sofrem de câncer em nossa época, e que o fato de combatê-lo por todos os meios obtém tão pouco êxito. O câncer é uma expressão da época moderna e da nossa visão coletiva de mundo. Sentimos em nós como câncer somente aquilo que de fato vivemos. Nossa era é caracterizada pela expansão e pela concretização desconsiderada dos próprios interesses. Na vida política, científica, “religiosa” e privada, as pessoas tentam expandir seus objetivos e interesses sem consideração pelos limites; eles tentam criar por toda parte bases de apoio para seus próprios interesses (metástases), prestigiando unicamente seus ideais e objetivos, e escravizando assim todos os demais em seu próprio benefício (princípio do parasitismo).
Nosso todo racional é igual ao da célula cancerosa. Nossa expansão é tão rápida e bem sucedida que também nós mal podemos enfrentar os problemas de abastecimento. Nossos sistemas de comunicação, embora espalhados pelo mundo inteiro, ainda nos impedem a comunicação com nossos parceiros e vizinhos. Temos facilidades, mas não sabemos o que fazer com elas. Produzimos e destruímos substâncias alimentícias apenas para manipular seus preços. Podemos viajar pelo mundo inteiro, e mesmo assim não nos conhecemos. Nossa filosofia atual só admite um objetivo: crescer e progredir. Trabalhamos, fazemos experiências e pesquisas (contudo para quê?) Em nome do progresso! E qual será o objetivo desse progresso? Ainda mais progresso? A humanidade está envolvida numa viagem sem rumo. É por isso que tem de estabelecer continuamente novos alvos para não se desesperar. A célula cancerosa não pode simplesmente segurar uma vela para iluminar a cegueira e a miopia da humanidade contemporânea. Em virtude de visarmos apenas a expansão econômica, nós usamos o meio ambiente como fonte alimentar e anfitrião e, atualmente, constatamos surpresos que a morte desse hospedeiro implica a nossa própria morte. As pessoas contemplam o mundo como um grande celeiro: as plantas, os animais, as matérias-primas. Tudo existe unicamente para que as pessoas possam se espalhar de forma indiscriminada e ilimitada sobre a terra.
De onde as pessoas que se comportam dessa maneira tiram a coragem e a ousadia para se queixarem do câncer? Afinal, ele não passa de um espelho que mostra o nosso comportamento, nossos argumentos e, também, o fim do nosso caminho.
Não é preciso vencer o câncer: ele tem de ser compreendido, para que nós também possamos compreender a nós mesmos. Mas as pessoas sempre quebram seus espelhos quando a imagem não os agrada! As pessoas tem câncer porque elas são um cancro para a natureza.
O câncer representa uma grande oportunidade para descobrirmos nossos próprios erros de pensamentos e enganos. Façamos então uma tentativa para localizar os pontos fracos do conceito que usamos para definir o câncer como uma imagem do mundo. Em última análise, o câncer se vê diante da pedra miliária representada pela polaridade “eu ou a sociedade”. Este “ou…ou” é tudo o que ele consegue ver e, assim sendo, resolve buscar a sobrevivência por conta própria, à revelia do seu meio ambiente, e acaba por descobrir tarde demais que de fato depende dele. Na verdade, ele carece de toda percepção da unidade maior, todo-abrangente. Ele considera a unidade somente em termos do seu próprio autodelineamento. Essa incompreensão, ou compreensão equivocada da unidade, é compartilhada por seres humanos e tecido canceroso. Também nós nos dividimos mentalmente, também damos origem à divisão entre o “eu” e o “tu”, sem compreender a futilidade de pensar em termos de “unidades”. A unidade e a unicidade são a essência de tudo o que existe: fora dessa existência não há nada. Dividir a unidade em pedacinhos faz com que obtenhamos a diversidade; esta porém é o que, em última análise, se junta para formar uma unidade.
Quanto mais o ego se subdividir tanto mais perderá o senso da totalidade do qual ainda faz parte. É então que sucumbe à ilusão de que pode agir “sozinho”. Todavia, a palavra sozinho significa um-só e inclui um-só-com-tudo, e não o contrário, ou seja, a separação autêntica do resto do universo. Mais precisamente, o nosso eu apenas pode imaginá-la. Na medida em que o eu se fecha, o homem perde a sua ligação ancestral com a origem do seu ser. O ego tenta satisfazer suas necessidades e dita o rumo. Tudo isso é conveniente e certo para o eu, no que se refere a uma progressiva separação, a uma crescente diferenciação, visto que através da acentuação de cada limite ele se sente melhor. O ego só tem medo de tornar-se uno, pois isto significa a sua morte. O ego defende sua existência com muito alarido, inteligência e bons argumentos, e apresenta as mais sagradas teorias e as mais nobres intenções a seu favor: o principal é que sobreviva.
Enquanto o nosso eu se esforçar para alcançar a vida eterna, ele fracassará tal como a célula cancerosa. A célula cancerosa se diferencia da célula corporal através da supervalorização do seu ego. Na célula, o núcleo da célula corresponde ao seu cérebro. Na célula cancerosa, o núcleo aumenta constantemente de importância e isso amplia seu tamanho (o câncer também é diagnosticado através da modificação morfológica do centrossoma). A modificação desse núcleo celular corresponde à ênfase dada ao raciocínio mental egocêntrico do qual nossa época está impregnada. A célula cancerosa busca a vida eterna na multiplicação material e na expansão. Tanto a célula como o ser humano não compreende que buscam algo na matéria, num local onde não existe, mais precisamente, a vida. O homem confunde o conteúdo e a forma e tenta, através da multiplicação da forma, obter o ansiado conteúdo. Mas Jesus já dizia: “Quem quiser obter a vida eterna, tem de perdê-la”.
Todas as escolas iniciáticas ensinam desde épocas remotas o caminho oposto: sacrificar o aspecto formal a fim de obter o conteúdo ou, em outras palavras, o eu tem de morrer para que possamos nascer outra vez no Si-mesmo. Convém notar: este Si-mesmo não é o meu si-mesmo, mas é o Ser. Ele é o ponto central que está em toda parte. O Si-mesmo não tem uma existência especial, visto que abrange tudo o que existe. É aqui que se elimina a questão: “Eu ou os outros?” O Si-mesmo não conhece outros, visto que ele é o Todo-Um. Um objetivo como esse parece perigoso ao ego e muito pouco atraente. Por isso não devemos nos surpreender quando o ego empreende todos os esforços para trocar esse objetivo de unificação por um ego forte, grande, sábio e iluminado. No caminho esotérico, bem como no religioso, a maioria dos visitantes fracassa quando tenta obter a solução dos conflitos ou a iluminação por meio do eu. Muitos poucos entendem o fato de que o eu com o qual se identificam nunca poderá ser salvo ou iluminado.
A grande obra sempre pressupõe o sacrifício do eu, sempre pressupõe a morte do ego. Não podemos salvar o nosso eu, só podemos nos desapegar dele: neste caso, estamos salvos. O medo que mais surge nesse ponto, o de não existir mais, só comprova o quanto nos identificamos com o nosso eu e como sabemos pouco sobre ele. Justamente aí está a oportunidade para solucionar o problema do câncer. Só quando aprendermos a questionar de forma lenta e progressiva a rigidez do nosso eu e os nossos limites, e só quando nos abrirmos é que começaremos a nos sentir como parte do todo e, portanto, começamos a assumir responsabilidade também pelo todo. Nesse caso, também compreenderemos que o bem-estar do todo significa o nosso bem-estar, pois como parte somos simultaneamente unos com o todo. Toda célula contém a mesma informação genética geral do organismo: ela apenas tem de compreender que na verdade ela é o todo! A filosofia hermética nos ensina que o microcosmo é igual ao macrocosmo.
O erro de raciocínio que cometemos está na diferença entre o eu e o tu. Assim surge a ilusão de que como um eu podemos sobreviver muito bem, na medida em que sacrificarmos o tu e o usarmos como solo nutritivo. Na realidade, o destino não permite a separação entre eu e tu, entre parte e todo. A morte provocada pela célula cancerosa do organismo significa também a sua própria morte, assim como, por exemplo, a morte do meio ambiente incluiria a nossa própria morte. Todavia, a célula cancerosa, tal como os homens, acredita num exterior independente dela. Essa crença é mortal. O antídoto para ela chama-se amor. O amor nos torna perfeitos, visto que abre as limitações e permite a entrada do outro para que haja uma união. Quem ama não coloca o próprio eu em primeiro plano, mas vive uma grande totalidade. Quem ama sente o que acontece à pessoa amada como se acontecesse consigo mesmo. Isso não é válido só no âmbito humano. Quem ama um animal não pode considerá-lo do ponto de vista social como um produto nutritivo. Ao mencionar o amor não estamos nos referindo a um pseudo-amor sentimental, mas àquele estado de consciência que de fato capta algo da unidade de tudo o que existe, e não aquele comportamento, bastante frequente, no qual tentamos compensar os sentimentos inconscientes de culpa devidos à agressividade reprimida por meio de “boas-ações” ou de uma devoção exagerada aos animais. O câncer não mostra o amor vivido; o câncer é um amor pervertido!
O amor vence todas as barreiras e limitações.
No amor se unem e se fundem todos os opostos.
Amar é tornar-se uno com o todo; o amor se expande para tudo e não se detém diante de nada.
O amor não teme a morte, pois amar é viver.
Quem não viver este amor na consciência corre o risco de ver seu amor vincular-se à materialidade, tentando nesse âmbito fazer valer as leis que também regem o câncer.
A célula cancerosa vence todas as fronteiras e limites. O câncer elimina a individualidade dos órgãos.
O câncer se estende por tudo e não se detém diante de nada (metástases).
A célula cancerosa não teme a morte.
O câncer é o amor num nivel equivocado. A perfeição e a unidade só podem ser concretizada na consciência, não na matéria, visto que a matéria é a sombra da consciência. No mundo transitório das formas o homem não consegue concretizar aquilo que pertence a um âmbito eterno. Apesar de todo esforço dos reformadores do mundo, nunca haverá um mundo perfeito, sem conflitos e sem problemas sem lutas. Nunca haverá pessoas sadias sem doenças e morte, nunca haverá o amor todo-abrangente, já que o mundo das formas vive das limitações. No entanto, todos os objetivos podem ser concretizados – por cada um e a qualquer tempo – quando a pessoa conseguir enxergar através das formas e tornar-se livre em sua consciência. No mundo polarizado, o amor leva ao apego; na unidade, ele leva ao transbordamento. O câncer é o sintoma do amor mal-compreendido. O câncer só sente respeito pelo amor verdadeiro. E o símbolo do amor perfeito é o coração. O coração é o único órgão que não pode ser atacado pelo câncer.

Extraído do livro «A DOENÇA COMO CAMINHO»
Autores: Thorwald Dethlefsen & Rüdiger Dahlke

Anúncios
Publicado em Saúde. Tags: . Leave a Comment »

DIA DA ASCENSÃO DE SAINT GERMAIN – 1º DE MAIO


ASCENSIONADO MESTRE SAINT GERMAIN

Este maravilhoso Ser que conhecemos como SAINT GERMAIN realizou a Sua ascensão no ano de 1684.

No dia 1º de Maio celebramos a data da Ascensão de Saint Germain assim como a da sua coroação como Hierarca da Era de Aquário.

Saint Germain fez a sua ascensão no dia 1º de Maio de 1684, na conclusão da sua vida como Francis Bacon. Ele e Pórcia tornaram-se os Senhores do Sétimo Raio quando da sua coroação no dia 1º de Maio de 1954, como hierarcas da Nova Era.

Eles servem como exemplos magníficos da senda da Cristicidade do Sétimo Raio e das suas qualidades: liberdade, justiça e misericórdia.

Ao longo das suas encarnações – como dirigente, sacerdote, profeta, defensor do Cristo, cientista e descobridor – Saint Germain envolveu-se num grande esforço para conduzir as almas de luz que vieram à terra com Sanat Kumara à adoração da sua Grande Origem Divina.

Mestre Saint-Germain – Chohan do Sétimo Raio (Violeta)

Muitas e muitas vezes Ele aceitou novas encarnações e esforçou-se muito em estimular nos homens de diversos povos, neste planeta, o desejo de Liberdade, pois que é a LIBERDADE o seu dom especial.

Foi confiada a Ele, na qualidade de Mestre Ascensionado, a custódia do já iniciado ciclo de dois mil anos da Era da Liberdade. Assim como Jesus possuía a custódia do anterior ciclo de Dispensação Crística, o Mestre Ascensionado Saint Germain usufrui a preferência, o privilégio e a responsabilidade de TRAZER A LIBERDADE no presente ciclo, a toda criatura – seja homem, ser elemental ou anjo prisioneiro.

Chegará um tempo em que não mais haverá velhice, doença, pobreza ou males de qualquer natureza; nem mais haverá a chamada morte.

Os ensinamentos editados pela “Ponte Para a Liberdade” contêm a orientação e indicação dos Mestres Ascensionados para melhor compreensão e aplicação do Fogo Sagrado, a fim de que todos possam obter a Liberdade do espírito, da emoção, do corpo físico e libertação das recordações.

Estando os quatro corpos inferiores, definitivamente, purificados e harmonizados, e com isto em verdade “Libertados”, o indivíduo estará, portanto, em condições de ser um Mestre Ascensionado ao final de sua encarnação; estará LIVRE PARA SEMPRE!

Todas as Ascensionadas Legiões Celestiais ofereceram a Saint Germain seu auxílio para a solução desta gigantesca obra e Ele aceita qualquer cooperação de cada corrente de vida que está à procura de mais Luz e Liberdade.

Desde a época de Sua Ascensão, no ano de 1684, Saint Germain prepara-se para ser o Chohan do Sétimo Raio. No ano de 1786, recebeu o cargo da Bem-Amada Mestra Ascensionada Kuan Yin e, desde então, até o dia 1o de maio de 1954, Ele se dedica à preparação da imensa responsabilidade de Diretor Cósmico para o iniciado ciclo. Este abençoado Ascensionado Mestre pede, nesta Hora Cósmica, por preces, apelos, orações, dedicação e auxílio de todos os que O amem, Ele que sempre viveu para servir a Vida.

Chegou agora o Grande e propício momento para trazer à Terra Seu presente de Liberdade.

A ERA DA LIBERDADE

O Grande Mestre Ascensionado SAINT GERMAIN é o Ser que dirige os dois mil anos já iniciados da ERA DA LIBERDADE. Sua gigantesca missão é LIBERTAR todos os viventes, com também a Terra, e isto será realizado por meio do Fogo Violeta.

Separadamente e em grupos, os homens apelam desejando dissolver toda criação inferior que obscurecer a luz dos homens. Se apelais pela vossa Presença Divina “EU SOU” e ao Mestre Ascensionado Saint Germain para chamejar o Fogo Violeta através de vós, ele começará a afastar todas as criações negativas em vossos corpos do sentimento, do pensamento, etérico e físico; ireis constatar uma acentuada leveza e expansão em vossos sentimentos, uma notável clareza em vossos sentidos e mudança em vosso corpo.

Alguns discípulos vêem esta chama violeta quando apelam por auxílio em seus círculos de vida; outros a sentem. Mesmo que vós não a vejais, ela está operando. Parece ser invisível, mas chegamos a ver as coisas mais importantes da vida? Não são visíveis aos nossos olhos a vida, a eletricidade, o amor, o ódio, a guerra (os efeitos de guerra: ódio, vingança, tristezas, dor etc.) e a paz.; no entanto, são bem reais; podemos, em qualquer caso, ver os seus efeitos.

O uso diário da vivente Chama Violeta pode afastar muita coisa que está acontecendo em vosso mundo. Mas, talvez deva ser esclarecido que, quando empregais sinceramente o Fogo Violeta e “acontecem” pequenos efeitos – isto não quer dizer que a Chama não faça a obra completa; significa que vossas CRIAÇÕES HUMANAS vêm à luz antes que as tenhais dissolvido.

Sobre isto, alguém, em certa ocasião, disse: Assemelha-se a uma escada “rolante” trazendo ao mundo atual a ação das forças do passado. Vosso trabalho é usar, suficientemente, a Chama Violeta para que tais FORÇAS PERMANEÇAM INERTES OU SEJAM DISSOLVIDAS ANTES QUE POSSAM AGIR. Quando a Chama age, é com se explodisse uma porção de vossas criações humanas e então ficásseis livres de determinas qualidades inferiores.

Procurai agir sempre com crescente entusiasmo, para dissolver-se rapidamente, tão depressa quanto possível, o que se apresenta na superfície de vossa vida diária.

*Texto extraído do site www.naveluz.arq.br

Ave Maria

Ave Maria
Ave Maria cheia de Graça
O Senhor é convosco
Bendita Sois Vós entre todos os Seres
E bendito é o fruto de vossa essência Jesus
Santa Maria Mãe de todos nós
Rogai por nós
Filhos e Filhas de Deus
Agora e na hora de nossa ascensão
Amém

Esta é uma nova forma de se orar a tradicional Ave Maria, foi pedida pela própria Maria que assim fosse proferida, pois dessa maneira não usamos erroneamente o Verbo, manifestando de que somos pecadores (padrão incutido pela igreja) e também não decretamos nossa morte, que na verdade é só uma passagem, mas sim afirmando nossa Ascensão!

Publicado em Oração. Tags: , . 1 Comment »

A CONSCIÊNCIA DAS ÁRVORES

Mensagem da Consciência das Árvores Canalizada através de Nathalie Glasson
12 de Abril de 2010

 

Nós estamos em sua presença, tão calma e forte, sem palavras passando entre nós, muitas poucas confirmações
sendo feitas e, entretanto, nós estamos como uma energia de suporte
para todos na Terra. Nós somos a energia do Criador em manifestação
na Terra. Nós somos os aspectos, a consciência e as qualidades do
Criador, sempre crescendo e evoluindo, mantendo tudo o que é sagrado
e divino da alma do Criador. Nós somos semelhantes a pilares de luz,
nutrindo e mantendo a vibração da Mãe Terra, mas estamos aqui também
para auxiliar a Humanidade e manter uma riqueza de sabedoria e de
conhecimento para compartilhar com vocês. Nós somos a consciência
das árvores, com a presença proeminente da consciência poderosa do
carvalho. Nós os honramos, queridos amigos da Terra e lhes pedimos
que dediquem um pouco do seu tempo para nos ouvir agora, enquanto
compartilhamos com vocês a nossa energia e o nosso amor.

Em cada manifestação de uma árvore a um nível físico, vocês
descobrirão vibrações diferentes e a consciência da alma do Criador.
Em diferentes áreas na Terra vocês notarão que as nossas energias
variam a fim de apoiarmos o nosso ambiente e mantermos um equilíbrio
na energia da Terra. Se vocês segurassem em suas mãos um ramo, uma
folha ou tocassem os nossos troncos ou raízes, vocês sentiriam uma
corrente da energia do Criador fluindo em seu ser da nossa
manifestação. Ao aprenderem a observar e a sentir a nossa corrente
de energia, vocês então serão capazes de acessar a consciência e a
sabedoria que cada um de nós mantém, ligadas diretamente à energia
do Criador. Vocês poderão descobrir que a nossa energia parece rica
em sabedoria, como se ela fosse de um período na Terra muito antes
que vocês colocassem os seus pés no solo da Terra. A consciência das
árvores que está integrada com a luz do Criador, mantém a sabedoria
e os insights que se estendem desde a criação da Terra e mantém as
inúmeras verdades do universo e da poderosa alma do Criador. Ao se
conectarem com as nossas energias, vocês poderão compreender e
aceitar estas verdades, a fim de expandirem a sua consciência e
desenvolverem a sua compreensão da cena maior da Terra, da sua alma
e da alma do Criador. Vocês descobrirão em nossa energia e em nossa
luz um mapa do universo do Criador e que somos capazes de
transportá-los para diferentes realidades, dimensões e civilizações.
Nós temos muito a compartilhar com vocês e, entretanto, nós sentimos
que embora cada pessoa compreenda isto profundamente dentro delas,
elas não têm a coragem de avançar e se conectarem com as nossas
energias. Nós devemos explicar que a fim de se conectarem com a
consciência pura e verdadeira de nossa energia, vocês devem vir até
nós com um coração e mente abertos, que esteja cheio de amor e de
uma paz radiante. Nós temos muitos níveis para a nossa energia, como
vocês. Isto é porque estamos na forma física. A vibração menos
elevada ou mais lenta de nossa manifestação pode ser notada como
qualidades menos elevadas ou algumas vezes negativas da Terra. Esta
não é a nossa verdade e nem é a sua. Somos puros seres de amor de
elevada vibração, mas quando a energia é diminuída, pode se tornar
estagnada e assim criar a aparência de qualidades negativas, mas
estas são simplesmente energias extremas ou exageradas. Quando
alguém é capaz de encontrar o seu centro, então ele é capaz de se
conectar com a verdade do seu ser e com a verdade do Criador,
trazendo paz, amor e alegria.

Nós estamos lhes pedindo que venham até nós com a sua verdade, de
modo que possamos compartilhar a nossa verdade com vocês. Venham até
nós em um estado de paz e de amor, e nós abriremos as nossas
energias tranqüilas, amorosas e sábias para vocês. Vamos nos ligar a
um nível que nos permita unir as energias do nosso Criador, elevando
a nossa vibração e ascendendo a maiores estados de liberdade,
expansão e êxtase. Nós estamos aqui para auxiliá-los de qualquer
modo que possamos e compartilhar com vocês os meios e os métodos
para que vocês possam ajudar no desenvolvimento positivo da Terra e
na ascensão da humanidade. Há muitos métodos que podem ser colocados
em ação pela humanidade a fim de trazer a paz, a harmonia, o
equilíbrio e o amor à Terra, e isto pode ser acessado a partir de
nossa energia, porque na verdade estas idéias estiveram na
consciência da Terra por muito tempo, apenas a Humanidade está
escolhendo ignorar o que é essencial e necessário na Terra. Nós, a
consciência das árvores, pedimos para que se conectem com a nossa
energia, ou em meditação em seu próprio espaço, ou que se conectem
conosco fisicamente, tocando ou se ligando a uma árvore de sua
escolha. Nós desejamos prepará-los para as mudanças que precisam
ocorrer dentro de vocês e na Terra. Nós desejamos melhorar a sua
conexão com a Terra e com o Criador, de modo que vocês possam
existir de um modo similar a nós. Como sustentadores, faróis e
âncoras das manifestações sagradas da luz que existem na Terra e no
universo do Criador. Nós desejamos agir como uma rede de apoio, como
âncoras da luz do Criador e como curadores para todos.

Tudo o que lhes pedimos é que vocês reservem um tempo para se
ligarem as nossas energias e se permitirem experienciar a nossa luz,
sentindo a sua influência em seu ser. Abaixo está uma invocação que
pode ser feita se vocês desejarem se conectar com a consciência das
árvores, embora não na natureza.

“Eu invoco a proteção, a luz e o amor dos meus guias pessoais e do
Criador. Eu peço que vocês me auxiliem a alcançar um estado de amor
em minha mente e coração, enquanto adoto uma existência de paz. Eu
sou o amor. Eu sou a paz. Eu invoco agora a luz, o amor e a
sabedoria da consciência das árvores da Terra e da alma do Criador
para que ancorem em meu ser, permitindo que a vibração mais
apropriada e o nível de energia mais adequado fluam através de mim.
Eu peço que enquanto eu abrir a minha verdade e o meu amor à
consciência das árvores, que eu seja capaz de sentir e de
experienciar a confiança e o amor mantidos dentro da consciência das
árvores. Permitam-me receber a sabedoria e a energia que eu preciso
e que sejam essenciais ao meu crescimento agora na Terra.
Agradeço-lhes e que assim seja.”

Então se permitam a ficarem tranqüilamente em um estado de aceitação
e paz.

Se desejarem se conectar com a nossa consciência na natureza, então
nós pedimos que primeiro se permitissem ativar de dentro de vocês um
estado de paz e de amor, irradiando isto abundantemente do seu ser.
Permitam-se ser atraídos para uma árvore, pois cada árvore mantém
vibrações diferentes e assim vocês sentirão um vínculo maior com
algumas, mais do que com outras. Sentem-se ou permaneçam próximos a
uma árvore, enviando a sua energia de paz e de amor, e observem se
vocês sentem um vínculo ou combinação de energias se formando. Vocês
podem perceber que a árvore, experienciando as suas energias, lhes
estende a sua luz. Quando se sentirem preparados, avancem e coloquem
uma mão na árvore ou se inclinem contra ela. Peçam aos seus sentidos
que estejam abertos para experienciar a luz, a energia, o amor e a
consciência da árvore. É importante que sigam a sua própria
orientação e que também estejam alertas a quaisquer pensamentos ou
insights que obtenham da árvore. Vocês podem se comunicar com a
árvore. As árvores são naturalmente receptivas ao som ou à vibração
de sua voz. Peçam à árvore para permitir que a consciência unificada
das árvores flua através de vocês, ou vocês podem pedir à árvore que
os alinhe a um nível mais profundo com a alma do Criador. Vocês
podem até pedir à árvore que os auxilie na conexão com as energias
de sua alma, no seu interior. Com prática e dedicação, uma conexão
se formará e quando se desenvolver uma relação de confiança, vocês
receberão a sabedoria necessária e a iluminação para ajudar em sua
conexão com a Terra e com o Criador e para auxiliá-los a apoiarem a
ascensão da Terra e da Humanidade.

Gostaríamos também de lembrá-los que até quando vocês segurarem em
suas mãos um ramo ou folha, morta ou viva, vocês serão capazes de
acessar um determinado nível de consciência durante a meditação.

Nós esperamos que os tenhamos inspirado a manter a coragem de se
conectarem com as nossas energias e a honrarem a nossa presença,
enquanto permanecemos ao seu lado.

Com o profundo amor do Criador,

A Consciência das Árvores


Natalie Glasson, Wisdom of the Light, www.wisdomofthelight.com

Tradução: Regina Drumond –  reginamadrumond@yahoo.com.br

MERGULHANDO MAIS PROFUNDAMENTE, VOANDO MAIS ALTO E PERCEBENDO COM MAIOR INSIGHT

Amada Família da Luz,

Neste momento de Mudança e de Transformação, nós vemos quantos de vocês estão recebendo a Nova Luz e a Energia que lhes vêm nas Pulsações e nos Códigos de Luz do Coração Cósmico.

Nós vemos como vocês estão se esforçando para crescer e evoluir, e nós aplaudimos o seu progresso.

Agora, nós sugerimos que é o momento de fazer outra mudança, e de se permitirem Mergulhar Mais Profundamente, Voar Mais Alto e Perceber mais verdadeiramente com os olhos do Amor e da Sabedoria, e experienciar mais Quem Vocês São neste momento!

Amados, esta não é uma tarefa difícil, é o que vocês estão permitindo com as Ativações do seu Corpo de Luz e dos Códigos de Luz do seu DNA.

Realmente é o momento de se mover além dos velhos modos de viver e de ser e de aceitar o que é Possível e Provável na Realidade de sua Nova Terra. Primeiro, nós diremos, mergulhem mais profundamente em seu Coração, em sua Alma e em seu Ser, e experienciem a Intensidade do Amor, da Conexão e da Intimidade que estão disponíveis a vocês nesta Nova Energia.

Nós dissemos antes que este ano de 2010 é um momento em que vocês redefinirão os Relacionamentos e Parcerias e buscarão alinhar estes com a Harmonia e a Vontade Divina. E, nesta Harmonia Divina, vocês experienciarão a poderosa intensidade do Amor Divino através de sua experiência da Alma e dos Aspectos Espirituais dos seus relacionamentos e parcerias.

Amados, enquanto vocês se encaminham para a Quinta Dimensão, vocês redefinirão a Parceria e o Relacionamento para expressar um Amor que seja tanto Incondicional, quanto Intensamente Comprometido e Focado na Intenção.

Será um Amor que honra tanto os Aspectos Cósmicos quanto os Aspectos Individuais da Conexão e da Comunhão no Planeta Terra.

Nós sugeriríamos, Amados, que vocês pudessem considerar estas sugestões para definir e expressar o Amor e a Conexão a um nível maior de Alegria e de Intimidade. Nós sugeriríamos que vocês considerassem os aspectos da Intenção, do Compromisso, da Transparência e da Graça, enquanto definem a energia do Relacionamento do Coração e da Alma na Nova Terra.

Em primeiro lugar, a Intenção é uma importante faceta de qualquer Relacionamento. Ao nível da conexão da alma, as almas são atraídas ou magnetizadas em direção ao outro, com um propósito específico relacionado ao seu mútuo crescimento.

Uma alma sábia definirá e expressará uma intenção para qualquer relacionamento e conexão. “Do que se trata esta conexão e como eu a experiencio?”, podem ser questões que vocês farão. Naturalmente, Amados, os Relacionamentos mudam e crescem ao longo do tempo, mas a essência ou a intenção definida é o que orienta a expansão e o desenvolvimento deste relacionamento.

Se ambas as almas forem claras em sua intenção para a sua conexão, então, provavelmente, elas se conectarão com Harmonia e sem precisar experienciar emoções, tais como o medo, a ansiedade e a manipulação, assim como as expectativas que não serão cumpridas ao longo do tempo.

Uma vez que a intenção seja definida, ela deveria ser honrada através do Compromisso e do Foco. Este é um aspecto da conexão interpessoal que se perdeu ou foi mal compreendido em sua sociedade. O Compromisso é uma expressão de uma Escolha, e não implica em posse ou propriedade. Ele sugere que uma vez que a intenção seja definida através do contrato de alma, então esta intenção deve ser honrada com integridade. Isto cria a Confiança e a Paz, o que promove a Harmonia e a Alegria.

E isto, por sua vez, cria um espaço para uma conexão mais profunda e um compartilhamento de Amor e de Alegria.

Então, a Transparência é também um aspecto de tal Relacionamento. Deveria haver abertura e honestidade entre as pessoas no Relacionamento. Onde tudo está aberto e não há segredos, ou agendas escondidas, então a Confiança pode florescer e se aprofundar na Intimidade, ao nível do Coração e da Alma.

Na Nova Energia, onde vocês estão aprendendo a como sentir e perceber empaticamente, vocês logo “assimilarão” em qualquer caso quando alguém não for honesto, aberto e transparente. Um Relacionamento que seja aberto e honesto cria um sentimento de Liberdade e dá a habilidade de “serem vocês mesmos”, sem medo.

E, Amados, quando um Relacionamento ou Parceria opera deste modo, então a Graça Divina está presente. A Graça Divina é a energia do Amor Incondicional Absoluto, e ela cria a Alegria, a Paz e a Harmonia.

Nesta Nova Terra, que seja o seu desejo e intenção que tragam a Graça Divina as suas vidas, através dos Relacionamentos que criam a Harmonia Divina. Interiorizem-se em seus Corações e encontrem este profundo amor e empatia que lhes permitirá criar Relacionamentos que sejam uma Comunhão que dê origem à Graça Divina em suas vidas.

Esta é a essência do Relacionamento Sagrado. Assim, Amados, imaginem que vocês são como um Golfinho e que estão mergulhando profundamente no Oceano de Sentimentos e de Emoções do Amor Divino! Pode ser uma expressão divertida e alegre da Luz Divina em seu Coração!

Então, Amados, imaginem que vocês são uma Águia, e que podem voar através dos céus. O que vocês veriam enquanto voam mais e mais alto? Vocês não veriam as coisas de modo diferente? Vocês não teriam uma maior perspectiva em sua vida e como vocês vivem?

Realmente, a Alma pode ser comparada a um pássaro que voa livremente, e a sua natureza é se elevar e ver as coisas de uma perspectiva mais elevada. Esta Perspectiva Mais Elevada pode estar alinhada aos Sentimentos do Coração e às Emoções para criar um alinhamento do Corpo e da Alma, ou do Céu e da Terra.

Amados, enquanto vocês aprendem a redefinir o modo com que vocês expressam o Amor e os Relacionamentos, aprendam também a se elevarem acima dos aspectos físicos da vida e a perguntarem: “O que a minha alma vê e sente?” nesta situação.

Permitam-se a se elevarem e a verem a sua vida e as suas escolhas da perspectiva de seu Eu Superior e de sua Alma. Enquanto vocês se tornam mais proficientes neste processo, ele se tornará natural para vocês e em breve aprenderão a viver com uma consciência constante da perspectiva de sua vida, a partir dos “olhos” da alma.

Ao voarem mais alto deste modo, os auxiliará a alinharem sempre as suas Escolhas e Decisões com a sua Alma e com a Luz Divina interior, criando um continuum de Luz e de Poder que expressará a Divindade de Quem Vocês São. Amados, nós oferecemos esta informação porque muitos de vocês estão ainda no processo de luta para definir e gerenciar as suas amizades e relacionamentos pessoais.

Vocês tendem a ficar presos nos velhos padrões tridimensionais do medo, da raiva, do domínio, da carência e do conflito, quando prefeririam estar nos níveis mais elevados da Harmonia e da Alegria. Nós diremos, Amados, simplesmente façam a escolha de elevarem as energias dos seus relacionamentos na Harmonia Divina e na Alegria e aprendam a ver, a partir de uma Perspectiva Mais Elevada, quais escolhas precisam ser feitas e como vocês podem honrar aquelas escolhas em suas vidas.

Pois saibam, amada Família de Luz, que a Alma deseja alinhá-los com o Espírito, e deseja que vocês vejam com os Olhos do Amor e da Sabedoria, e que vocês expressem o Amor Incondicional Divino e a Harmonia em tudo o que vocês fazem e vivenciam.

AS ENERGIAS PARA ABRIL DE 2010

Neste mês de Abril, as energias serão intensas.

O Sol estará em Áries até o dia 20 de Abril, quando ele muda para Touro.

Marte estará em Leão, criando uma energia agressiva e explosiva pela primeira parte do mês.

O planeta Feminino, Vênus, estará em Touro até o dia 25, celebrando o Amor, a Beleza, a Graça e a Harmonia, como um contrapeso para as energias mais ardentes de Marte, e quando o Sol atravessar em Touro no dia 20, haverá uma breve e favorável janela de oportunidade, estabelecendo as Freqüências Superiores do Amor e da Harmonia.

Mas, estas energias serão desafiadas pelo Mercúrio retrógrado, a partir do dia 18 de Abril. Como sempre, este aspecto os desafiará a serem mais cuidadosos e a desacelerarem um pouco.

Então também, Saturno retrógrado em Virgem, cria um aspecto difícil com Vênus, sugerindo também que alguns relacionamentos precisarão ser reestruturados se a Harmonia for alcançada.

Plutão estará retrógrado através de Capricórnio em direção à Sagitário e ao Centro Galáctico, e assim fará até Setembro. Esta energia tenderá também a levantar questões, e os relacionamentos que podem ter parecido concluídos, “retornarão” para serem transformados ou finalmente liberados. Será uma “segunda chance” Cósmica para as questões de relacionamentos não resolvidos.

A Lua Nova cai no dia 14 de Abril, e cai em Áries. Esta é uma Lua Nova do Fogo, quando a energia está sempre um pouco volátil e instável. É um bom momento para ancorar as suas energias e o foco na Luz Solar do Espírito que traz as Bênçãos Divinas para a Nova Era da Luz.

A Lua Cheia cai no dia 28 de Abril e está em Escorpião com o Sol em Touro. Uma Lua da Água é sempre um bom momento para explorar os abismos da consciência e “mergulhar profundamente” no mundo dos sentimentos e das emoções. Como sugerimos nesta mensagem, permitam-se a mergulhar profundamente no Oceano do Amor e então se elevarem aos Céus com a águia de Escorpião! É o momento de esticarem as suas asas e serem Tudo O Que Vocês São. Nós lhes desejamos a Harmonia Divina e a Graça no mês de Abril!

“Despertando” por Deva Premal e Miten

SOFRIMENTO

Vocês acreditam que vocês têm que sofrer, mas vocês não têm.

Vocês gritam: “Isto é o meu karma!” apesar de que vocês não precisam encarar como karma e sofrer. É a forma como vocês o vivem é que faz a diferença.

A alma está no plano terreno para se livrar de muitos erros do passado.
Se se olha para a mensagem positiva de cada situação, então não há sofrimento.

Deixem-me contar-lhes uma história.

Minha canalizadora, Margaret, era casada com um homem muito bom. Ela teve um bom casamento até que decidiu tornar-se espiritual. Seu marido não gostou disso e então tornou a vida difícil para ela. Ele não atendia ao telefone que era dela e era rude com os clientes dela ou os ignorava, tudo junto. Eles tinham um comércio juntos.

Então, em um dia, após muita contemplação, minha canalizadora concluiu que seu casamento não ia funcionar mais. Ela não podia desistir de seu caminho espiritual. Seus filhos haviam crescido e saído de casa e era hora de ela ir em frente com sua vida. Então ela deixou o casamento.

Através da intuição, nós colocamos o pensamento na consciência dela para que visitasse uma amiga que era muito intuitiva. Através dessa amiga nós a informamos que seu marido ia fazer uma última coisa a partir da raiva.

Meses depois, seu ex-marido foi até o comércio deles e retirou tudo de valor, enquanto minha canalizadora estava viajando, em outra cidade. Alguns dias depois, ele foi ao banco e tirou todo o dinheiro da conta deles. Minha canalizadora ficou sabendo disto através de seu gerente que foi até o negócio e o encontrou vazio. Dias depois ela foi ao banco para pegar dinheiro para pagar contas, e não havia mais nada.

Minha canalizadora ficou desolada.

Ela pensou consigo mesma: “Por que o mundo do Espírito não me ajudou?”

Ela estava brava conosco porque ela pensou que nós havíamos criado o sofrimento.
Não criamos.

Ela tinha a opção de ver isto como uma bênção ou como uma maldição.

Através de sua amiga nós lhe tínhamos dito, antes que seu ex-marido fizesse a última coisa a partir da raiva e que ela deveria ir embora e não olhar para trás.

Por muitos meses ela ficou brava conosco, apesar de nós não termos feito nada. Nós não podíamos impedir seu ex-marido de fazer o que ele fez, mas nós avisamos que isso iria ocorrer.

Relutantemente, minha canalizadora continuou em frente. Sem recursos, ela teve de pedir dinheiro emprestado para pagar suas contas, mas nós garantimos que um amigo estivesse ali perto para ajudá-la. Todo o dinheiro que ela precisava estava lá. E seu amigo garantiu à minha canalizadora que ela não se importasse caso não devolvesse.

Quando seu ex-marido a processou por causa do carro que ela tinha, ela viu que ele nunca a deixaria em paz, e então tomou a decisão de ir para o exterior durante algum tempo. Foi o dia mais triste da vida dela, quando ela tomou a decisão, porque ela não queria partir. Ela não tinha nada. Seu novo parceiro nos negócios, (seu futuro marido) pagou pelas passagens, porque ela não podia pagar.

Antes do caso da loja, ela havia dado para o ex-marido toda a mobília, pois ela não iria precisar devido às suas viagens, e ele precisava. Ela não tinha mais nada.

Isto, para ela, realmente foi sofrimento.
Entretanto, ela tinha fé de que havia uma razão para o que aconteceu.

Um ano depois, minha canalizadora tornou-se uma clarividente de sucesso de uma rádio e de uma revista, neste novo país, e estava ganhando muito mais do que ganhava com a loja; ela teve muito sucesso. Tudo o que ela havia perdido foi recuperado em dois anos terrenos e da experiência dela com o ex-marido, ela aprendeu muitas lições. A lição mais importante foi ir embora e não olhar para trás, ir em frente e não voltar para trás.

O futuro é sempre melhor do que o passado – se a humanidade pudesse ver isso.
Mas normalmente não pode.

Ela se prende ao que tem, com medo de deixar ir, não confiando que o Universo irá corrigir o errado.

Deixar ir o passado é o único modo de avançar para a Luz.

Com um ano de sua partida, minha canalizadora telefonou ao seu ex-marido e lhe agradeceu pelo que ele tinha feito. Ela pôde finalmente ver que, se ela tivesse ficado do jeito que ela estava, ela ainda estaria lá – estática, como minha canalizadora diz – “se arrastando”. E, ao contrário, ela foi tão bem sucedida.

Vocês tanto podem ver as situações que ocorrem a vocês como experiências positivas para aprender, ou chafurdar em dó por si mesmo. A escolha é sua.

Você escolhe “sofrer” ou não.

Da próxima vez que algo ruim lhes acontecer, lembrem-se de que nada acontece sem significar um progresso na sua vida e uma ajuda para que vocês avancem.

Vocês só precisam ter fé de que existe, como vocês dizem no plano terreno, um quadro maior e mais brilhante.

Maitreya