Morte voluntária

Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas

Por Lílian Cardoso

Depressão é um dos fatores que pode desencadear o desejo suicida, tal como Transtorno Afetivo Bipolar

Mahnaz tinha 6 anos quando sua mãe jogou gasolina nela, nos dois irmãos e em si própria. Queria todos mortos. Estava cansada das traições do marido, mais ainda de apanhar quando reclamava. Seria uma maneira de puni-lo e de mostrar que, assim como ele, era capaz de atitudes extremas. Até hoje, Mahnaz não se recorda do que aconteceu naquele dia, só que em momento algum teve medo, apenas pena da mãe, que chorava muito e acabou indo embora para a casa de seus pais, deixando-os sozinhos e encharcados de combustível”.

O apelo nestas primeiras linhas não é literário. A história – uma mostra da realidade que atormenta muitos lares – é verídica. A Organização Mundial da Saúde calcula que, diariamente, cerca de 60 mil pessoas tentam se matar. Aproximadamente 3 mil conseguem. O número de suicídios cresceu em 60% nos últimos 45 anos. Mas mesmo considerado como um grave problema de saúde pública mundial, o tema ainda é tratado como tabu.

O mistério que envolve o ato faz filósofos, psiquiatras e psicólogos se debruçarem na angustiante busca de porquês. É um caminho árduo de respostas e considerações. Analisar de fato o termo “suicídio” e não encará-lo de forma preconceituosa ou romanceada – como foi feito em Os sofrimentos do jovem Wherter, de Johann Wolfgang von Goethe – é tarefa dificílima.
A jornalista pernambucana Paula Fontenelle é um dos raros exemplos, no Brasil, de quem encarou essa missão, enfrentou o tema e não excluiu qualquer detalhe da própria dor. Foram três anos de pesquisa até concluir Suicídio – O futuro interrompido, obra que foi lançada em outubro de 2008 pela editora Geração Editorial, de São Paulo.

Assim como Mahnaz – que por sorte escapou da morte – Paula, que narra esta história nas primeiras páginas do livro, sentiu na própria pele a herança do suicídio. Em 2005 o pai se matou com um tiro na cabeça. Chocada com a tragédia familiar e inconformada, a jornalista iniciou uma pesquisa. “Num momento deste, a gente quer respostas, quer entender o que leva alguém a tirar a própria vida. Fica um buraco e uma busca insaciável por informação”, descreve.

Paula recorreu às obras de Durkheim, Freud, Aristóteles, além da leitura de várias e recentes publicações estrangeiras. A jornalista também resgatou a história do pai em um dos capítulos da sua obra – certamente o mais difícil, pois analisa o problema a partir do próprio drama. “A idéia inicial era ajudar as pessoas que vivem o que passei, mas depois que estudei bastante vidao assunto pude enxergar outra possibilidade: a de evitar o suicídio. Como? Identificando os sinais e se aproximando, de forma direta, da pessoa em risco. O que nos falta é informação e é essa lacuna que quero preencher”, revela Paula que entrevistou inclusive o psicólogo norte-americano Edwin Schneidman, conhecido como o pai da suicidologia moderna e responsável pela abertura, na década de 1960, do primeiro centro de prevenção ao suicídio nos Estados Unidos.

Vida em Morte

Cerca de 1 milhão de pessoas morrem por ano em decorrência do suicídio. Ou seja, perde- se mais vida com suicídio anualmente do que em todas as guerras e homicídios no mundo. Ainda segundo a OMS, se a prevenção não passar a ser encarada seriamente, esta fatalidade pode chegar a 1,5 milhão em 2020 e de 10 a 20 vezes mais em termos de tentativas.

A previsão significa uma morte a cada 20 segundos e uma tentativa a cada um ou dois segundos. Este índice representa um crescimento de 74% em relação às 877 mil mortes voluntárias registradas em 2002. Nos relatórios mundiais, o suicídio está entre as três maiores causas de morte na faixa etária de 15-44 anos. A cada ano, aproximadamente 100 mil adolescentes se suicidam no mundo.

As taxas mais altas estão no Leste Europeu, particularmente os que faziam parte da União Soviética. As mais baixas estão na América Latina, nos países islâmicos e em alguns países asiáticos. Mas os números servem apenas como referência, porque não se sabe até que ponto a subnotificação – inclusive no Brasil – impacta os índices mundiais. Em relação aos países africanos não há um registro específico sobre a incidência de suicídio, são poucas as informações e pesquisas divulgadas nesse continente.

Fatores de Risco
A Organização Mundial da Saúde estima que 60 mil pessoas tentam se matar, e que 3 mil têm êxito

Quando sabemos que alguém se suicidou, a primeira pergunta que vem à nossa mente é ‘por quê’? E a resposta, normalmente, é vazia. Vazia no sentido em que não diminui nossa indignação, nossa dificuldade em compreender que alguém desistiu da vida. Na verdade, muito já foi pesquisado sobre o assunto e a principal conclusão desses estudos é que em mais de 90% dos casos de suicídio, existe um transtorno mental associado.

Em 2002, a Organização Mundial da Saúde realizou um levantamento em diferentes regiões do mundo. Em quase 16 mil suicídios, em apenas 3% não foi possível fazer um diagnóstico psiquiátrico. No topo da lista vem a depressão. Normalmente a doença ou não foi diagnosticada ou o tratamento não foi seguido (ou prescrito) adequadamente. Mas é preciso deixar claro que a doença não é uma sentença de morte, ao contrário, apenas uma média de 15% daqueles que apresentam depressão grave se suicidam.

Embora a depressão esteja no topo da lista, algumas doenças psíquicas também podem aumentar o risco de suicídio. É o caso do Transtorno Afetivo Bipolar, caracterizado por alternâncias entre fases de mania (hiperatividade) e depressão. O TAB afeta cerca de 1,5% das pessoas. Entre 20% a 50% dos doentes tentam suicídio. Portanto, se essas doenças forem diagnosticadas e tratadas com seriedade, o suicídio pode ser prevenido.

” Perde-se mais vida com suicídio anualmente do que em todas as guerras e homicídios no mundo ”

Um tema silencioso

No Brasil, onde prevenção de suicídios ainda não é tratada como prioridade, o tema é pouco discutido. O motivo talvez seja a prioridade que é dada à violência urbana. Enquanto de 3 a 4 mil pessoas morrem anualmente por suicídio, o País registra cerca de 45 mil assassinatos no mesmo período.

Mas isto é apenas parte do problema. O medo e o desconhecimento também estimulam o silêncio, seja das autoridades responsáveis pelos registros de óbito, seja a própria sociedade que ainda se cala diante da morte voluntária. Em alguns casos a própria família pede que a real causa mortis seja camuflada por eufemismos como “acidente com arma de fogo”, entre outros.

No que diz respeito aos números, o Brasil segue os padrões mundiais, três mortes de homens para cada mulher e elevação nos índices de morte voluntária nos jovens entre 15 e 24 anos. Nessa faixa etária, as taxas entre 1980 e 2000 foram multiplicadas por dez, passando de 0,4 para 4.

Na opinião de Paula Fontenelle, a sociedade ainda não está pronta para este debate, e isso inclui o poder público, mas é preciso que alguém dê o pontapé inicial. “No Brasil, a violência urbana é o grande vilão das mortes, mesmo assim pouco é feito para solucionar o problema. Por trás desta atitude está o medo de encarar o suicídio como um fato, assim como vemos hoje tratarem a depressão que antes era igualmente tabu”.

Um dos capítulos do livro trata da postura da mídia em relação ao suicídio, uma postura também distanciada e superficial. O motivo é o receio de que a publicação de reportagens estimule o que os especialistas chamam de ‘contágio’. “É verdade que isso pode ocorrer, mas o silêncio não ajuda. O que nós jornalistas precisamos é abordar a morte voluntária de forma responsável e não sensacionalista. Temos uma imensa responsabilidade em tratar o assunto adequadamente para ajudar na prevenção”, defende.

A família e os amigos têm de estar atentos aos sinais de comportamento suicida. Muitas vezes o indivíduo dá pistas de que irá se matar.

Mitos sobre suicídio

Durante três anos de pesquisa, a autora identificou alguns mitos que norteiam o tema e, nas entrevistas, procurou esclarecimento para cada um deles. Em capítulo específico, Paula listou as dez principais inverdades e analisou uma a uma baseada em considerações de especialistas. “Quem vive ameaçando se suicidar nunca o faz”. Segunda a autora, este é o mito mais difundido.

De fato, as pesquisas mundiais indicam que mais de 90% daqueles que tiram a própria vida dão sinais de que irão fazê-lo, entre eles, a verbalização de que não querem mais viver. O comportamento autodestrutivo, as palavras de desesperança sempre se apresentam como pedidos de ajuda. “Mas é preciso que exista alguém do outro lado que identifique os sinais, enxergue o sofrimento do outro e parta para a ação”, explica.

A crença de que quem diz não faz é ainda mais recorrente quando vem de um jovem, porque é visto como algo característico de adolescentes, seja na forma de exagero nas emoções ou ainda uma maneira para chamar a atenção. A simples verbalização de querer morrer, normalmente já é um sinal de que há algo a ser investigado.

Outro mito em destaque é acreditar que ao perguntar a alguém se ele ou ela está pensando em se matar você pode estimular essa pessoa a fazê-lo. Ao contrário. O que dizem os especialistas é que se você estiver desconfiando da intenção de alguém, deve abordá-lo da forma mais direta possível perguntando se ele já pensou nisso e se já chegou a planejar o ato. É desta forma que você irá saber a gravidade da situação.

No caminho da prevenção

A grande questão por trás do suicídio é o que fazer – ou mesmo, se há o que fazer – quando uma pessoa chega ao ponto de desistir da vida. Há quem procurar? Depressão, angústia, medo, desamparo, apatia. Estes são os sentimentos que corroem um ser humano até que tudo deixa de fazer sentido. É nesse momento que o suicídio surge como única saída. É o que os especialistas chamam de “afunilamento” das percepções, muito comum em níveis avançados de depressão.

Como ajudar nesses casos? Se aproximando da pessoa, conversando abertamente e a encaminhando a um tratamento adequado. De início, o indicado é tentar entender onde dói, o que o incomoda, o porquê do indivíduo não enxergar outras saídas. Em seguida, procure ampliar sua percepção apontando para opções que ele não consegue ver.

No caso do suicídio, o termo “prevenção” adquire um significado diferente, porque não se trata de um processo preventivo qualquer. A trajetória inclui a identificação de sinais verbais e não-verbais sutis que já indicam certa gravidade no quadro de quem os expressa e é preciso agir rapidamente. Ou seja, não se trata de evitar uma “doença” antes que ela apareça, e sim de estancar um processo já em evolução.

Fonte: http://psiquecienciaevida.uol.com.br/ESPS/Edicoes/38/artigo128070-3.asp

Anúncios

O IMPULSO CÓSMICO DE MARÇO DE 2009 – Meditação

“A Volta do Firmamento da Pomba”
Uma mensagem de Metatron canalizada por Tyberonn em
5 de fevereiro de 2009


Queridos amigos,

Vocês podem ler a canalização completa em: http://www.luzdegaia.org/metatron/tyberonn/firmamento.htm

Aqui estou colocando um resumo passo a passo da meditação sugerida para facilitar.
Com carinho,
Sandra Regina, RJ

– Forme a estrela tetraédrica de 8 pontas ao seu redor e comece a entoar OMM.

– Faça a respiração do infinito:
*( “Inspirar Luz e expirar Amor”, Tome doze respirações de infinidade plenas, e após a décima segunda, puxe seu abdômen para dentro e prenda o fôlego por um ou dois instantes.
Agora, conforme você toma a próxima respiração (a décima terceira), veja-a fluindo a partir do seu Centro de Poder Solar (Núcleo do Coração Sagrado) em frente ao seu corpo.
O padrão de infinito em uma configuração horizontal: Na inspiração, a primeira laçada (loop) estende-se para fora em frente ao seu corpo, e na expiração, a segunda laçada (loop) estende-se para a parte de trás do seu corpo, completando o sinal de infinito.
Inspire e expire seis sinais do infinito, e quando fizer isso, eles automaticamente criarão um padrão de doze laçadas (loops) que o cercam completamente como pétalas de uma flor.
Quando expirar a última laçada (loop), novamente, prenda o fôlego por um instante antes de retornar à respiração normal.) *

– Transforme a estrela de 8 pontas em na estrela de 12 pontas da MerKiVa. (expansão dentro da mente coletiva)

– Visualize a Pirâmide Azul (de Sírius A) em Galveston (para nós que estamos no Brasil)

– Visualize as três pirâmides de cada complexo circulando as energias.
Veja o complexo de Gisé conectado harmonicamente por uma linha dourada com o complexo de Pirâmides do Moody Gardens e vice-versa.

– Quando esses dois complexos estiverem conectados, visualize-os conectando-se com todos os complexos piramidais por todo o globo. Veja todos recebendo a descarga de energia dourada espiralada e brilhando com uma grande luz intensa, cobrindo todo o planeta.

1) Mull, Escócia

2) Chan Chan, Peru

3) Humaque, Serra Tumucumaque, Brasil

4) Nagasaki, Japão

5) Huace, Espanha

6) Ekaterinburg, Russia (Montanhas Ural)

7) Belém, Israel

8) Yellowstone, Wyomin, EUA

9) Kilamanjaro, Tanzânia

10) Islândia

11) Kona, Havaí

12) Monte Cook, Nova Zelândia

13) Great Artesian Basin, Austrália

14) Sri Lanka

– Depois visualize a Terra dentro de um enorme Octaedro, enquanto vê, com os olhos da sua mente, o Impulso Cósmico de Luz Cristalina Celestial fluir através dos Complexos Piramidais Phi e dos pontos de poder Octaédricos.

– Sinta o fluxo do eletromagnetismo codificado desperto da Terra elevando-se através do seu próprio corpo físico e do seu sistema de chacras. Absorva as energias e irradie-as para tudo ao seu redor.

– Em seguida, focalize as 14 fontes sagradas de código magnético (piramedes anteriormente visualizadas) jorrando energia para os céus.

– Depois dirija o fluxo ascendente dessas energias para a Grade 144, envolvendo a Terra.

– Visualize um Arco dourado, uma Faixa Elíptica brilhante formando-se ao redor do planeta e da grade. Veja-a como uma cor dourada, e então entoe o OMM, com uma sensação de alegria e amor.

– Enquanto entoa, visualize o Raio Platina do Campo Cristalino permeando o Arco Dourado com a energia suave e nutridora do Divino Feminino e rodopiando ao redor desse Arco para formar uma faixa cristalina.

Pratique isto tantas vezes quanto puder, durante os 21 Dias da Pomba.

MEDO: ACABE COM ELE

Sente-se em uma cadeira que lhe permita manter a coluna ereta. Relaxe, de verdade. Isso implica em você – mantendo a coluna reta – procurar sentir-se o mais confortável que puder. Nada, nem ninguém, deve tirar o foco da sua atenção no exercício proposto. Leve o tempo que quiser para atingir essa “zona de conforto”. Antes disso não adianta continuar. Use a respiração para conseguir isso. Ajuda muito (espero que você já tenha aprendido a respirar corretamente).

Esses preparativos todos são absolutamente necessários no processo inicial do aprendizado da meditação.

Na meditação você vai contar com uma energia real e não visível (na terceira dimensão): a imaginação.

Sem ela o ser humano não ativa – efetivamente – seus poderes interiores, especialmente o da concretização dos desejos de sua alma.

Portanto, com isso bem esclarecido, passemos à meditação proposta.

O objetivo dela é conseguir a conexão com a alma, pois isso é tudo que o ser humano precisa para ter a ativação de suas reais – e divinas – capacidades. Ou, em outras palavras, a ativação dos seus reais – e divinos – poderes.

Imagine um feixe de luz do diâmetro do seu polegar unido ao dedo indicador. Esse feixe de luz vem “de cima”, passa por dentro do seu corpo sentado e penetra no subsolo.

Use a sua imaginação para criar o seguinte: esse “tubo” de luz (ou feixe) vai penetrando (de cima para baixo) pelo alto da cabeça (sétimo chakra). E lentamente vai expandindo a luz contida dentro dele para cada chakra que for encontrando na sua descida rumo ao subsolo.

Enquanto isso vai acontecendo, você – sempre através da sua imaginação – vai direcionar essa luz para realizar uma limpeza em cada um dos chakras (centros de energia).

A “sujeira” básica que existe em cada um deles é o MEDO.

No 7º chakra existe o medo de desapegar-se de tudo e de todos que já não são realmente importantes em seu caminho da ascensão. O medo da morte. Imagine a luz retirando esse medo. Não precisa visualizar coisas, situações ou pessoas. Não é necessário. Apenas deixe que a luz faça o seu trabalho de libertação desse medo. Ela sabe como. Se quiser, coloque uma cor violeta na luz. É opcional.

No 6º chakra existe o medo de errar. De não saber “fazer a coisa certa”. De não saber discernir. A luz se encarregará de “limpar as suas ilusões”. Apenas permita que ela faça isso. Lembre-se: ela sabe como. Se quiser coloque a cor rubi no feixe de luz.

No 5º chakra existe o medo de não conseguir viver a sua verdade. Continue permitindo que a luz faça sua faxina básica. Com certeza ela retirará as muitas mentiras em que você tem acreditado ao longo de sua vida. E que só tem atrasado sua caminhada de volta para casa. Se quiser, coloque a cor azul na luz.

No 4º chakra existe o medo de ser feliz. O medo de amar. Nesse momento da sua meditação respire profundamente. Profundamente. Uma, duas, três, quantas precisar…Depois imagine toda a energia da tristeza acumulada através de suas dores-de-amor saindo através de cada expiração. Faça isso parecer tão real quanto puder.

Nesse momento do processo não tenha pressa. Tente trabalhar com a luz branca enquanto permanecer aí.

No 3º chakra existe o medo de ficar sozinho. O medo da rejeição. Quando chegar a este chakra saiba que estará iniciando a fase mais pesada da faxina energética – a limpeza dos 3 primeiros chakras. . Imagine você caminhando ao encontro de SI mesmo, ao encontro daquele Ser Superior que está – o tempo todo – esperando por você. Esse Ser é a sua Alma. Portanto a limpeza do medo radicado neste chakra é fundamental para se conseguir a conexão com a Alma. Trabalhe seriamente aqui, com a serenidade da crença de que você nunca está sozinho e jamais será “rejeitado” por quem realmente importa. Luz amarelo-dourada.

No 2º chakra existe o medo do prazer de viver. Infelizmente o ser humano foi condicionado, há milênios, a explorar predominantemente o prazer sexual. E por isso tem muito medo de perder a capacidade de sentir prazer sexual. É o “grande engano” de toda esta última civilização. Imagine a luz – alaranjada – limpando este medo e ao mesmo tempo reativando as outras fontes de prazer (os 5 sentidos). Lembre-se que a luz sabe como fazer isso. Confie.

No 1º chakra existe o medo-padrão: a insegurança. O medo de “não-se-sentir-capaz-de”. Ai neste chakra está o medo de “não ter dinheiro suficiente” para viver uma vida digna. O medo de não conseguir sobreviver neste mundo material. Use a cor vermelha para limpar este chakra e a sujeira desse medo.

Nesse momento você encontra-se “limpo” da sujeira do medo, seja ele qual for. Usufrua desse estado por alguns momentos, pois é muito prazeroso. Você está numa conexão consciente com sua Alma.

Logo após o seu momento pessoal de bem-estar, continue o exercício.

Através da sua imaginação “circule” pelo feixe de luz, à vontade. Suba até os céus, dê uma olhada nesse cenário, aproveite para sentir a plenitude, mesmo que por instantes. Depois, quando quiser, vá descendo – sempre abrigado pelo feixe de luz e já em companhia da sua Alma – até penetrar no subsolo do planeta Terra. Não crie nenhum tipo de medo, por favor… Lembre-se que você está dentro da luz e conectado com seu Ser Superior. Olhe para este mundo invisível à maioria: há vida ali. A vida intraterrena e sua civilização de 5D.

Se conseguir, estabeleça algum contato. Só para experimentar. Se sentir serenidade e paz, você conseguiu. Para muitos pode ser um bom momento para “trazer as energias do Céu à Terra” e elevar as energias da Terra aos Céus”.

Finalizando, direcione o feixe de luz para voltar à superfície do planeta, onde você vive.

Se sentir confortável, fique dentro dessa luz por mais algum tempo e aproveite para expandi-la para onde você quiser. Se você chegou até aqui já sabe que através da sua imaginação você o conseguirá. De verdade.

Quando quiser, vá abrindo lentamente seus olhos e conectando-se com todo seu corpo físico.